Frase do dia
Related Posts with Thumbnails

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Que seus olhos

Que seus olhos só vejam a beleza da alma...

Aconteceu num dia em que estava com minha filha no zoológico. Vi uma avó com uma garotinha cuja rosto era salpicado de sardas vermelhas e brilhantes.
As crianças estavam esperando numa fila para que um artista pintasse suas faces com patinhas de tigre.

- Você tem tantas sardas que ele não vai ter onde pintar - um menino gritou na fila. Sem graça, a menininha abaixou a cabeça. A avó ajoelhou-se perto dela e disse:

- Adoro suas sardas.
- Mas eu detesto - ela replicou.
- Quando eu era menina, sempre quis ter sardas - disse a senhora, passando o dedo pela face da neta.
- Sardas são tão bonitas!
A menina levantou o rosto:
- São mesmo?
- Claro - disse a avó. - Quer ver? Me diga uma coisa mais bonita que sardas.
A garotinha, olhando para o rosto sorridente da senhora, respondeu suavemente:
- Rugas.

Aquele momento me ensinou para sempre que, se olharmos para os outros com os olhos do amor, não veremos o que possam ter de feio.
Apenas o que têm de bonito.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

O Cético e o Lúcido

No ventre de uma mulher grávida estavam dois bebês. O primeiro pergunta ao outro:
- Você acredita na vida após o nascimento?
- Certamente. Algo tem de haver após o nascimento. Talvez estejamos aqui principalmente porque nós precisamos nos preparar para o que seremos mais tarde.
- Bobagem, não há vida após o nascimento. Como verdadeiramente seria essa vida?
- Eu não sei exatamente, mas certamente haverá mais luz do que aqui. Talvez caminhemos com nossos próprios pés e comeremos com a boca.
- Isso é um absurdo! Caminhar é impossível. E comer com a boca? É totalmente ridículo! O cordão umbilical nos alimenta. Eu digo somente uma coisa: A vida após o nascimento
está excluída – o cordão umbilical é muito curto.
- Na verdade, certamente há algo. Talvez seja apenas um pouco diferente do que estamos habituados a ter aqui.
- Mas ninguém nunca voltou de lá, depois do nascimento. O parto apenas encerra a vida. E afinal de contas, a vida é nada mais do que a angústia prolongada na escuridão.
- Bem, eu não sei exatamente como será depois do nascimento, mas com certeza veremos a mamãe e ela cuidará de nós.
- Mamãe? Você acredita na mamãe? E onde ela supostamente está?
- Onde? Em tudo à nossa volta! Nela e através dela nós vivemos. Sem ela tudo isso não existiria.
- Eu não acredito! Eu nunca vi nenhuma mamãe, por isso é claro que não existe nenhuma.
- Bem, mas às vezes quando estamos em silêncio, você pode ouvi-la cantando, ou sente, como ela afaga nosso mundo. Saiba, eu penso que só então a vida real nos espera e agora apenas estamos nos preparando para ela…

- Presente de Jéssica Caroso

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Aprendendo a descomplicar a vida

Essa Monja nos ensina com muita simplicidade o que é viver de forma zen.
Vamos aproveitar essa lição e praticar.

Ser zen não é ficar numa boa o tempo todo, de papo para o ar, achando tudo lindo sem fazer nada.

Ser zen é ser ativo.
É estar forte e decidido.
É caminhar com leveza, mas com certeza.
É auxiliar a quem precisa, no que precisa e não no que se idealiza.

Ser zen é ser simples.
Da simplicidade dos santos e dos sábios.
Que não precisam de nada.
Nada mais que o necessário.
Para o encontro, a comida, a cama, a diversão, o trabalho.

Ser zen é fluir com o fluir da vida.
Sem drama, sem complicação.
Na hora de comer come comendo, sem ver televisão, sem falar desnecessário.
Sente o sabor do alimento, a textura, o condimento.
Sente a ternura (ou não) da mão que plantou e colheu, da terra que recebeu e alimentou, do sol que deu energia, da água que molhou, de todos os elementos que tornam possível um pequeno prato de comida à nossa frente. Sente gratidão, não desperdiça.

Come com alegria.
Para satisfazer a fome de todos os famintos.
Bebe para satisfazer a sede de todos os sedentos.
Agradecendo e se lembrando de onde vem e para onde vai.

A chuva, o sol, o vento.
O guarda, o policial, o bandido, o açougueiro, o juiz, a feiticeira, o padre, a arrumadeira, o bancário, o servente e o garçom, a médica e o doutor, o enfermeiro e o doente, a doença e a saúde, a vida e a morte, a imensidão e o nada, o vazio e o cheio, o tudo e cada parte.

Ser zen é ser livre e saber os seus limites.

Ser zen é servir, é cuidar, é respeitar, compartilhar.

Ser zen é hospitalidade, é ternura, é acolhida.

Ser zen é o kyosaku, bastão de madeira sábia, que acorda sem ferir, que lembra deste momento, dos pés no chão como indígenas, sentindo a Terra-Mãe sustentando nossos sonhos, nossas fantasias, nossas dores, nossas alegrias.

Ser zen é morrer.
Morrer para dualidade, para o falso, a mentira, a iniquidade.
Ser zen é ser simplesmente quem somos e nada mais.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Curto, bonito e sábio.

Conta-se que no século passado, um turista americano foi à cidade do Cairo no Egito, com o objetivo de visitar um famoso sábio.
O turista ficou surpreso ao ver que o sábio morava num quartinho muitosimples e cheio de livros.
As únicas peças de mobília eram uma cama, uma mesa e um banco.
- Onde estão seus móveis? Perguntou o turista.
- E o sábio, bem depressa olhou ao seu redor e perguntou também:
- E onde estão os seus… ?
- Os meus?! (surpreendeu-se o turista) - Mas estou aqui só de passagem!
- Eu também… (concluiu o sábio)
 
"A vida na Terra é somente uma passagem…
No entanto, vivemos como se fossemos ficar aqui eternamente, e esquecemos de ser felizes."

Não somos seres humanos passando por uma experiência espiritual, somos seres espirituais passando por uma experiência humana...

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Arrogância das novas gerações

Um jovem muito arrogante, que estava assistindo a um jogo de futebol, tomou para si a responsabilidade de explicar a um senhor já maduro, próximo dele, por que era impossível a alguém da velha geração entender esta geração. “Vocês cresceram em um mundo diferente, um mundo quase primitivo!”, o estudante disse alta e claramente, de modo que todos em volta pudessem ouvi-lo. “Nós, os jovens de hoje, crescemos com internet, celular, televisão, aviões a jato, viagens espaciais, homens caminhando na Lua. Nós temos energia nuclear, carros elétricos e movidos a hidrogênio, computadores com grande capacidade de processamento e...”, ele fez uma pausa para tomar outro gole de cerveja.

O senhor aproveitou o intervalo do gole para interromper a liturgia do estudante em sua ladainha e disse: “Você está certo, filho. Nós não tivemos essas coisas quando éramos jovens porque estávamos ocupados em inventá-las. E você, um arrogante dos dias de hoje, o que está fazendo para a próxima geração?”

O homem foi aplaudido ruidosamente de pé!

Autor desconhecido
- Presente de Cleide Silva

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Mudança de Hábito

Somos livres para vivermos nossa vida da forma que queremos e por isso com o passar
do tempo vamos adquirindo alguns hábitos que nos levam muitas vezes ao exagero e a deficiência em nossa conduta, e desta forma vamos nos distânciando de alguns valores importantes para nossa evolução, deixando que as ilusões e os enganos do caminho dominem nossa vida.

É muito importante reconhecermos que há necessidade de algumas mudanças em nossa vida e esta avaliação deve ser feita todas as vezes que algo não anda muito bem, pois isto é um sinal de que devemos analisar nossos hábitos tanto materiais como morais, porque muitas vezes cometemos injustiças pelo hábito de falar ou pelo hábito de julgar uma ação ou acontecimento e com isso vamos criando um ciclo de maus hábitos que vão criando raizes em nossa vida, nos causando malefícios no corpo físico e debilitando o nosso emocional. Procuremos então avaliar em nós nossos hábitos e como estamos vivendo nossa vida, se não estamos cometendo exageros desnecessários que com certeza vão atrapalhar a nossa evolução.

Quando mudamos nossos hábitos para o bem, estamos procurando a nossa melhora interior com relação aos nossos sentimentos, pensamentos e ações.
Perceba que se tivermos o hábito da oração matinal, nosso dia com certeza será mais tranquilo e harmonioso, e se tivermos o hábito da ajuda a quem necessita do nosso amparo, seu sentimento será de paz e felicidade de poder proporcionar algo bom para alguém. As mudanças de hábitos que promovemos em nossa vida só nos trará benfeitorias tanto no corpo físico como espiritual. Se optarmos por uma mudança alimentar saudável, o corpo irá reagir favoravelmente a esta mudança e no campo espiritual acontece da mesma forma, pois se mudarmos nossos hábitos nos ligando mais a Jesus e aos seus ensinamentos estaremos promovendo o bem estar espiritual e tudo a nossa volta será tansformado e teremos mais condições de enfrentarmos nossas batalhas diárias.

Todas as mudanças que promovemos em nós para o bem, com certeza estaremos caminhando a favor de uma vida mais equilibrada e harmoniosa rica em conhecimento e aprendizado.

Pense Nisso!!!

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Amigo em Silêncio

Dois amigos cultivavam o mesmo campo de trigo, trabalhando arduamente a terra com amor e dedicação, numa luta estafante às vezes inglória, à espera de um resultado compensador.

Passam-se anos de pouco ou nenhum retorno. Até que um dia, chegou a grande colheita. Perfeita abundante, magnífica, satisfazendo os dois agricultores que a repartiam igualmente eufóricos.

Cada um seguiu seu rumo. À noite, já no leito, cansado da brava lida daqueles últimos dias, um deles pensou: "Eu sou casado, tenho filhos fortes e bons, uma companheira fiel e cúmplice. Eles me ajudarão no fim de minha vida. O meu amigo é sozinho, não se casou, nunca terá um braço forte a apoiá-lo. Com certeza vai precisar muito mais de dinheiro do que eu"

Levantou-se em silêncio para não acordar ninguém, colocou metade dos sacos de trigo recolhidos na carroça e saiu. Ao mesmo tempo, em sua casa, o outro não conciliava o sono, questionando: "Para que preciso de tanto dinheiro se não tenho ninguém para sustentar, já estou idoso pra ter filhos e não penso mais em me casar. As minhas necessidades são muito menores do que as do meu sócio, com uma família numerosa para manter"

Não teve dúvidas, pulou da cama, encheu sua carroça com a metade do produto da boa terra e saiu pela madrugada fria, dirigindo-se à casa do outro. O entusiasmo era tanto que não dava para esperar o amanhecer. Na estrada escura e nebulosa daquela noite de inverno, os dois amigos encontraram-se frente a frente. Olharam-se espantados, mas não foram necessárias as palavras para que entendessem a mútua intenção.

"Amigo é aquele que no seu silêncio escuta o silêncio do outro"

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Pai quanto o senhor ganha por hora?‎

Certa vez, um pai chegou em casa superestressado e ligou a televisão para assistir ao telejornal. O filho se aproximou sorridente:
- Pai, vamos brincar?
O pai respondeu irritado:
- Meu filho, você não está vendo que estou muito ocupado? Vá brincar com seus irmãos que depois a gente conversa.
O menino saiu, chateado, mas logo em seguida voltou de novo e perguntou:
- Pai, quanto você ganha por hora de trabalho?
E o pai, irritado, disse:
- Você não está vendo que estou ocupado? Vá falar com sua mãe, já lhe disse que estou ocupado, saia daqui.
Alguns minutos depois o garoto tentou chamar a atenção do pai novamente:
- Pai, quanto é que você ganha por hora de trabalho?
O pai não aguentou e explodiu:
- Você é muito mal-educado! Você não percebe que estou ocupado! Vá já para seu quarto.
O garoto argumentou:
- Mas, pai, eu ainda nem jantei!
- Não quero nem saber! Vá para seu quarto agora e não saia de lá.
Assustado, o garoto foi para o quarto com fome, sem entender o que estava ocorrendo.
Terminado o telejornal, o pai se deu conta da bobagem que fizera. Caiu na real e foi chamar o garoto para jantar. Quando abriu a porta, viu que o filho dormia. A consciência pesou. Acordou o menino, que levantou sobressaltado:
- Não, pai, não me bata, desculpe ter atrapalhado seu programa, prometo que isso nunca mais vai acontecer, por favor, não me bata!
Naquele instante, o coração do pai se apertou, e ele disse:
- Não, filho, desculpe o papai, vamos jantar. Depois a gente vai brincar e eu quero que você me conte como foi seu dia.
O menino, percebendo a mudança de tom, aproveitou para perguntar de novo:
- Pai, quanto é que você ganha por hora de trabalho?
O homem parou, pensou e respondeu:
- Ganho mais ou menos 5 reais.
E o menino pediu:
- Pai, dá para você me emprestar 2 reais?
O pai, sentindo-se culpado, pegou duas notas de 1 real e deu ao menino, que então tirou do bolso do calção 3 reais, juntou-as e disse:
- Pai, aqui tem 5 reais. Você me vende uma hora de seu trabalho para a gente brincar?

A história acima é contada no primeiro capítulo do livro Pais e Filhos, Companheiros de Viagem, de Roberto Shinyashiki, chamado Dê prioridade a seus filhos!. Depois de contar o episódio, o autor diz:
“Eu entendo que você viva sob pressão no trabalho, mas essa realidade não pode servir como justificativa para não curtir seus filhos ao chegar em casa. Certamente as mães de hoje não têm mais a mesma disponibilidade de ficar o dia inteiro com os filhos como no passado. Hoje muitas mulheres trabalham fora e exercem uma série de atividades. Pais e mães, ao chegar em casa, precisam encontrar energia para curtir os filhos. Isso tem de ficar muito claro: filho não é obrigação! Aproveitar esses momentos de encontro é uma forma de recarregar as baterias e cumprir um papel que cabe exclusivamente aos pais.
Muitas pessoas admitem que se sentem culpadas por não ter tempo de curtir os filhos porque precisam trabalhar muito. O mais triste dessa história, porém, não é quando você está longe de casa. Duro mesmo é voltar, dar um beijo formal na turma, abrir a geladeira, pegar uma cerveja, abrir o jornal e ligar a televisão. Então, sim, as coisas ficam péssimas. Nesse momento, você mostra para a sua filha que ela vale menos que uma lata de cerveja, você mostra a seu filho que ele é menos importante que um jornal. Triste é destruir a autoestima deles.
Quando estiver trabalhando, dê 110% de sua energia. Mas, quando estiver em casa, curta as pessoas que você ama.”

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Esposa surda...

Um senhor idoso telefona ao médico para marcar
uma consulta para a sua mulher.
A secretária pergunta:
- Qual o problema de sua esposa?
- Surdez. Não ouve quase nada...
- Então o senhor vai fazer o seguinte: antes de trazê-la, faça um teste para facilitar o diagnóstico do médico.
Sem que ela esteja olhando, o senhor fala em tom normal, até perceber a que distância ela consegue ouví-lo.
E quando vier, diga ao médico a que distância o Sr. estava quando ela o ouviu.
- Certo?
- Está certo.
À noite, enquanto a mulher preparava o jantar, o velhote decidiu fazer o teste.
Mediu a distância que estava em relação à mulher.
E pensou:
"Estou a 15 metros de distância. Vai ser agora!"
- Maria, o que temos para jantar?
Silêncio...
Aproxima-se a 10 metros:
- Maria, o que temos para jantar?
Silêncio...
Fica a uma distância de 5 metros:
- Maria, o que temos para jantar?
Não ouve nada...
Por fim, encosta-se às costas da mulher e volta a perguntar:
- Maria! O que temos para jantar?
- FRANNNNGO... Já é a quarta vez que eu respondo!
Normalmente, na vida, pensamos que
as deficiências são dos outros e não nossas!

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

O tijolo

Um jovem e bem sucedido executivo dirigia em alta velocidade sua nova Ferrari.
De repente um tijolo espatifou-se na porta lateral da Ferrari!
Freou bruscamente e deu ré até o lugar de onde teria vindo o tijolo.
Saltou do carro e pegou bruscamente uma criança, empurrando-a contra um veículo estacionado e gritou:
- Por que isso? Quem é você? Que besteira você pensa que está fazendo?
Este é um carro novo e caro. Aquele tijolo que você jogou vai me custar muito dinheiro.
Por que você fez isto?
- Por favor senhor me desculpe, eu não sabia mais o que fazer!
Implorou o pequeno menino.
- Ninguém estava disposto a parar e me atender neste local.

Lágrimas corriam do rosto do garoto, enquanto apontava na direção dos carros estacionados.
- É meu irmão. Ele desceu sem freio e caiu de sua cadeira de rodas e não consigo levantá-lo.
Soluçando, o menino perguntou ao executivo:
- O senhor poderia me ajudar a recolocá-lo em sua cadeira de rodas? Ele está machucado e é muito pesado para mim.
Movido internamente muito além das palavras, o jovem motorista engolindo "um imenso nó" dirigiu-se ao jovenzinho, colocando-o em sua cadeira de rodas.
Tirou seu lenço, limpou as feridas e arranhões, verificando se tudo estava bem.
- Obrigado e que Deus possa abençoá-lo, agradeceu a criança.
O homem viu então o menino se distanciar... empurrando o irmão em direção à casa.

Foi um longo caminho até a Ferrari.... um longo e lento caminho de volta.
Ele nunca consertou a porta amassada. Deixou assim para lembrá-lo de não ir tão rápido pela vida, sem que alguém precisasse atirar um tijolo para obter a sua atenção.

"Deus sussurra em nossas almas e fala aos nossos corações.
Algumas vezes, quando não temos tempo de ouvir,
ELE tem de jogar um TIJOLO em nós"
© Maktub

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

O trajeto!

A minha infância posso garantir que foi doce! Quer dizer, mais ou menos doce! Ainda posso sentir o gosto de terra na boca que a chata da Sofia jogava na minha cara, no fim do dia quando íamos ao parque com brinquedos.

Tinha uma roupa que eu adorava e lembro muito bem, era um shorts vermelho bem curto e justo (eu já era piriguete aos 6 anos?!!!), a blusa era laranja com bolinhas pretas, e a sandália era uma Melissa que já estava um pouco velha, com tiras rasgadas, porque já tinha sido da Flavia, e aí já viu né! Sandália essa que no fim da tarde voltava com as bordas todas de terra, com a forma dos meus dedos.

A minha mãe era esplêndida na arte de me arrumar, lembro quando ela penteava meu cabelo longo e liso, a roupa sempre estava separada, e a sandália não sei como já estava limpa. Ela era mestre em tirar aquele caminhão de terra em minutos.

Depois daquele delicioso arroz, feijão e purê de batata, ela me levava sempre pontual, porque pra mim era inadmissível não ser a primeira da fila pra pegar na mão da tia Solange ou da tia Terezinha.

E lá iríamos naquele calor escaldante a pé, e conversando. Ela me contava sobre o que iria fazer ao longo do dia, e o que teria de lanche quando eu chegasse ao fim da tarde me esperando. O trajeto não era muito longo, mas eram minutos nossos, que ela segurava a minha mão e mostrava o mundo ao mesmo tempo.

O dia passava muito rápido, quando percebia já estava colocando a minha sandália toda suja de volta pra esperá-la. E é justamente nesse momento que estaria por vir a melhor parte.

Ela sempre já estava lá pra me buscar, esperando com aquele sorriso aberto, e eu cheia de saudade obviamente (depois reclamam porque ainda não fui morar sozinha com 24 anos!).

Íamos conversando, ela me contando sobre tudo o que tinha feito, quando de repente eu já avistava a porta da Padaria do André que me aguardava aberta. É lá morava um dos meus sonhos, e maiores parceiros da infância: O DIAMANTE NEGRO!

Eu ainda sinto aquele gosto doce, e da espera do dia todo pra que eu pudesse tê-lo de novo entre meus dedos.

Hoje, vejo que meus passos, minhas escolhas e todo o trajeto que, entre tortuosas estradas e belas paisagens, me trouxeram até aqui...

© Mariana Perez

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Trocando as lentes

Muitas vezes a única coisa que precisamos, é mudar a forma de sentir as coisas que nos cercam, mudar a forma como nosso coração sente. Ou sentir diferente, sentir com a mente, balancear o pensamento, contrariar o coração, negociar com a emoção.

Trocar as lentes dos nossos olhos. Ver com amplitude o que passou despercebido.

Voltar ao exato momento em que se perdeu o riso.

A verdade é que nem sempre o universo conspira contra nós, nem sempre a culpa foi nossa, nem sempre poderíamos ter feito tudo dar certo.

Se estamos vivos, as nossas chances não acabaram.

Nem sempre é real a sensação de pertencermos a outro planeta.

Nem sempre olhamos para nós mesmos da forma como deveríamos olhar.

Nem sempre nossas impressões são confiáveis.

Contrarie seus diagnósticos, desconfie do que já foi dito e escrito, nao engula o que ja veio mastigado. Recicle seus pensamentos, desafie o que se instalou por dentro.

Expulse o que nunca deveria ter entrado.

Com novas lentes, leia muito, a filosofia nos impulsiona a pensar.

Pensar nos impulsiona a mudar.

Abra todas as portas que você trancou, escancare-as para novos preceitos.

Permita que amanhã o vento que sopra lá fora refresque a sua alma.

Permita que suas orações renovem seu espírito.

Reformule a concepção de si mesmo. Trace uma nova rota para seu destino.

A verdade é que, errando ou acertando, somos sim dignos de sermos amados.

A cada dia envelhecemos e somos sim merecedores da felicidade que sonhamos.

A verdade é que não somos perfeitos, mas somos sim muito mais fortes do que supomos.

A verdade é que somos humanos e temos muito mais valor do que nos damos.

Um dia iremos desaparecer deste planeta, mas hoje somos mais importantes para alguém do que imaginamos.

Deixaremos saudades, mas que possamos levar a certeza de que fomos muito melhor do que nos julgamos.

© Lisiê Silva

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Edelweiss

E é no início do ano de 1939 que começa a nossa história.

Vivíamos na Áustria, um país coberto por flores, eu, meus pais e meu irmão. Éramos a imagem da família feliz e unida e entre nós reinava a certeza que nada na vida conseguiria nos separar, mas não foi bem assim.

Meu pai era um cirurgião de renome, minha mãe professora, daquelas dedicadas, que lecionava por puro amor aos seus alunos.

Eu tinha então dez anos e meu irmão quinze. Nossos dias e nossas noites eram muito alegres. Meus pais tinham o hábito de nos levarem até a varanda de nossa casa após o jantar para vermos as estrelas e enquanto fazíamos isso, cada um ia contando as coisas boas que haviam acontecido no seu dia. Não que não pudéssemos contar as ruins, mas é que naquela época das nossas vidas só aconteciam coisas boas. Não me recordo de algum dia ter visto um deles triste.

Depois que contávamos tudo e que admirávamos bastante as estrelas, cantávamos ao som do violão do meu irmão. A primeira música sempre era Edelweiss, linda, sonora, trazia paz aos nossos corações.
Ah! como era bom cantar Edelweiss junto da minha família e debaixo das estrelas, eu tinha a sensação que poderia fazer aquilo a vida toda sem jamais enjoar.

Mas, enfim, o tempo foi passando e veio a guerra e só se ouvia falar em Hitler e eu não entendia bem que homem era aquele, nem o que ele representava e então eu continuava todas as noites olhando para as estrelas junto das pessoas que eu mais amava.

Um dia, um terrível dia de dezembro que jamais esquecerei, tivemos que partir. Me lembro que meu pai veio até nós e nos disse delicadamente:

"Vamos ter que passar algum tempo sem ver as estrelas no céu"

Fomos covardemente arrancados de nossa casa por soldados, fomos levados a um local que viria a ser a nossa nova casa, chamava-se campo de concentração.

Lá, não fomos felizes e lá eu pude ver pela primeira vez o semblante da minha família triste, nem pareciam aquelas pessoas adoráveis que conviviam comigo naquela varanda.

Todas as noites eu dizia à minha mãe que queria ver as estrelas, cantar sob elas e ela me respondia com lágrimas nos olhos que durante um pequeno período a única estrela que eu poderia ver era a que eu trazia pendura no pescoço, de seis pontas, tão linda quanto as que brilhavam no céu.

Acontece que minha mãe se enganou, não foi um período tão curto assim que ficamos por lá e com o tempo foram me levando muito mais coisas além das estrelas do céu, foram me levando tudo.

Levaram-me a estrela do pescoço também, levaram meus pais para um banho do qual eles nunca mais voltaram, levaram meu irmão dentro de um trem que eu nunca soube para onde foi, levaram o meu sorriso, a minha alegria de viver, levaram a minha infância, só não levaram a minha voz e por isso, todas as noites ao deitar, eu fechava os olhos e cantava baixinho Edelweiss e aí eu podia ver as estrelas, o meu pai, a minha mãe, o meu irmão, a varanda da nossa casa....
A minha imaginação eles também não conseguiram levar...

Hoje eu tenho a absoluta certeza que realmente eu nunca teria me cansado de cantar na varanda com a minha família, que eu, de forma alguma, abandonaria o meu país, que minha mãe foi a pessoa mais doce que eu conheci, que meu pai foi a imagem da dignidade, que meu irmão foi o meu grande companheiro e que tocava violão como ninguém.

Hoje eu sei a verdadeira razão das lágrimas de meus pais ao se despedirem de mim apenas porque iriam tomar um banho e o motivo do abraço tão apertado que meu irmão me deu naquela tarde em que foi colocado dentro daquele trem.

Hoje eu sei de tantas coisas que eu não queria saber, sei que os homens podem agir como animais ferozes, sei que raças, credos, religiões, são apenas subterfúgios que o homem usa para deixar o leão que existe dentro deles despertar.

Hoje eu sei que o tempo é poderoso, mas não tão poderoso a ponto de apagar qualquer coisa que tenha sido muito boa ou muito ruim.

Hoje eu sei finalmente, que a saudade é o campo de concentração do coração.

Hoje eu sei que o maior tesouro que existe na vida é a paz.

Shalom!

Dedicado a todos os judeus que tiveram as suas vidas exterminadas durante Holocausto e às suas famílias que sofrem por essas perdas até hoje.
© Silvana Duboc

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

O poder do pensamento

O maior instrumento de poder de que se tem notícia se encontra dentro de nós: o nosso pensamento.
Como a eletricidade, o pensamento produz resultados de acordo com o uso que se faz dele.
O fato é que estamos continuamente interagindo com o cosmos, emitindo e recebendo vibrações, e assim, criando as experiências que vivemos.
Ao tomar consciência do poder do pensamento, conquista-se a chave para abrir as portas que levam à realização dos nossos desejos mais profundos.

Depois que Einstein e da física quântica, não há como negar que, em essência, SOMOS ENERGIA.
É essa energia se consubstancia na matéria, transformando-se em corpo, mente e emoção.



Se temos bons pensamentos e nos mantemos em sintonia com as correntes vibratórias
carregadas de energia positiva, nos tornamos capazes de realizar as ações que nos levarão à felicidade.

Os pensamentos nos fazem sentir emoções variadas. Essas emoções, por sua vez, influenciam a nossa mente, o nosso organismo e a nossa saúde, ajudando a nos manter saudáveis e bem dispostos, quando são positivas, dependendo do cuidado que temos com aquilo que abrigamos em nossas mentes.

Assim, se queremos ter relacionamentos amorosos felizes, o primeiro cuidado a ser adotado é em relação aos nossos pensamentos.
A lei da sintonia, como toda lei espiritual, pode não ser aceita ou compreendida, mas nem por isso deixa de produzir efeitos.


Assim como a gravidade atrai os corpos para o centro da Terra, os nossos pensamentos têm o poder de atrair para nós aquelas realidades que desejamos viver.
É necessário reconhecer as próprias qualidades e a potencialidade que trazemos dentro de nós e que nos torna capazes de crescer, aprender e avançar.

Só é possível dar aquilo que se possui. Apenas quem é capaz de se amar e de se valorizar pode amar e valorizar o outro.

O caminho para uma boa auto-estima está em cultivar bons pensamentos e ter em mente que eles são a nossa companhia mais constante.

Temos a opção de escolher, a cada momento, o que abrigamos em nossas mentes.

Com atenção, esforço e responsabilidade é possível detectar um pensamento menos bom na sua origem, e substituí-lo por outro que irá produzir resultados positivos.


O universo funciona como um espelho e tudo aquilo que transmitimos, retorna para nós amplificado.



© Jael Klein Coaracy

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Estação das perdas

Há horas em nossas vidas que somos tomados por uma enorme sensação de inutilidade, de vazio... Questionamos o porquê de nossa existência e nada parece fazer sentido. Concentramos nossa atenção no lado mais cruel da vida, aquele que é implacável e a todos afeta indistintamente: as perdas do ser humano! Ao nascer, perdemos o aconchego, a segurança e a proteção do útero. Estamos, a partir de então, por nossa conta. Sozinhos.

Começamos a vida em perda e nela continuamos. Paradoxalmente, no momento em que perdemos algo, outras possibilidades nos surgem. Ao perdermos o aconchego do útero, ganhamos os braços do mundo. Ele nos acolhe: nos encanta e nos assusta, nos eleva e nos destrói. E continuamos a perder. E seguimos a ganhar.

Perdemos primeiro a inocência da infância. A confiança absoluta na mão que segura nossa mão, a coragem de andar na bicicleta sem rodinhas porque alguém ao nosso lado nos assegura que não nos deixará cair. E ao perdê-la, adquirimos a capacidade de questionar. Por que? Perguntamos a todos e de tudo. Abrimos portas para um novo mundo e fechamos janelas, irremediavelmente deixadas para trás. Estamos crescendo. Nascer, crescer, adolescer, amadurecer, envelhecer, morrer, renascer? Vamos perdendo aos poucos alguns direitos e conquistando outros.

Perdemos o direito de poder chorar bem alto, aos gritos mesmo, quando algo nos é tomado contra a vontade. Perdemos o direito de dizer absolutamente tudo que nos passa pela cabeça sem medo de causar melindres. Assim: se nossa tia às vezes nos parece gorda tememos dizer-lhe isso. Receamos dar risadas da bermuda ridícula do vizinho ou puxar as pelanquinhas do braço da avó com a maior naturalidade do mundo e, ainda, falar bem alto sobre o assunto. Estamos crescidos e nos ensinam que não devemos ser tão sinceros.

E aprendemos. E vamos adolescendo. Ganhamos peso, ganhamos seios, ganhamos pêlos, ganhamos altura. Ganhamos o mundo. Neste ponto, vivemos em grande conflito. O mundo todo nos parece inadequado aos nossos sonhos... Ah! E os sonhos!!! Ganhamos muitos sonhos Sonhamos dormindo, sonhamos acordados, sonhamos o tempo todo. Aí de repente, caímos na real! Estamos amadurecendo. Todos nos admiram. Tornamo-nos equilibrados, contidos, ponderados. Perdemos a espontaneidade. Passamos a utilizar o raciocínio, a razão acima de tudo. Mas, não é justamente essa a condição que nos coloca acima dos outros animais? A racionalidade, a capacidade de organizar nossas ações de modo lógico e racionalmente planejado?

E continuamos amadurecendo. Ganhamos um carro novo, um companheiro, ganhamos um diploma. E desgraçadamente perdemos o direito de gargalhar, de andar descalço, tomar banho de chuva, lamber os dedos e soltar pum sem querer... Mas, perdemos peso!!! Já não pulamos mais no pescoço de quem amamos e tascamos aquele beijo estalado...

Mas, apertamos as mãos de todos, ganhamos novos amigos, ganhamos um bom salário, ganhamos reconhecimento, honrarias, títulos honorários e a chave da cidade... E assim, vamos ganhando tempo, enquanto envelhecemos. De repente percebemos que ganhamos algumas rugas, algumas dores nas costas (ou nas pernas), ganhamos celulite, estrias, ganhamos peso...e perdemos cabelos. Nos damos conta que perdemos também o brilho no olhar, esquecemos os nossos sonhos, deixamos de sorrir...

Perdemos a esperança. Estamos envelhecendo. Não podemos deixar pra fazer algo quando estivermos morrendo... Afinal, quem nos garante que haverá mesmo um renascer? Exceto aquele que se faz em vida, pelo perdão a si próprio, pelo compreender que as perdas fazem parte. Mas, que apesar delas, o sol continua brilhando e felizmente chove de vez em quando. Que a primavera sempre chega após o inverno, que necessita do outono que o antecede...

Que a gente cresça e não envelheça simplesmente. Que tenhamos dores nas costas e alguém que as massageie. Que tenhamos rugas e boas lembranças. Que tenhamos juízo, mas mantenhamos o bom humor e um pouco de ousadia. Que sejamos racionais. Mas, lutemos por nossos sonhos... E, principalmente, que não digamos apenas eu te amo, mas, ajamos de modo que aqueles a quem amamos, sintam-se amados mais do que saibam-se amados.
Afinal, o que é o tempo?
© Aila Magalhães

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Vende-se tudo

No mural do colégio da minha filha encontrei um cartaz escrito por uma mãe, avisando que estava vendendo tudo o que ela tinha em casa, pois a família voltaria a morar nos Estados Unidos. O cartaz dava o endereço do bazar e o horário de atendimento. Uma outra mãe, ao meu lado, comentou:

- Que coisa triste ter que vender tudo que se tem.
- Não é não, respondi, já passei por isso e é uma lição de vida.
Morei uma época no Chile e, na hora de voltar ao Brasil, trouxe comigo apenas umas poucas gravuras, uns livros e uns tapetes. O resto vendi tudo, e por tudo entenda-se: fogão, camas, louça, liquidificador, sala de jantar, aparelho de som, tudo o que compõe uma casa. Como eu não conhecia muita gente na cidade, meu marido anunciou o bazar no seu local de trabalho e esperamos sentados que alguém aparecesse. Sentados no chão. O sofá foi o primeiro que se foi. Às vezes o interfone tocava às 11 da noite e era alguém que tinha ouvido comentar que ali estava se vendendo uma estante. Eu convidava pra subir e em dez minutos negociávamos um belo desconto. Além disso, eu sempre dava um abridor de vinho ou um saleiro de brinde, e lá se iam meus móveis e minhas bugigangas. Um troço maluco: estranhos entravam na minha casa e desfalcavam o meu lar, que a cada dia ficava mais nu, mais sem alma.

No penúltimo dia, ficamos só com o colchão no chão, a geladeira e a tevê. No último, só com o colchão, que o zelador comprou e, compreensivo, topou esperar a gente ir embora antes de buscar. Ganhou de brinde os travesseiros.

Guardo esses últimos dias no Chile como o momento da minha vida em que aprendi a irrelevância de quase tudo o que é material. Nunca mais me apeguei a nada que não tivesse valor afetivo. Deixei de lado o zelo excessivo por coisas que foram feitas apenas para se usar, e não para se amar.
Hoje me desfaço com facilidade de objetos, enquanto que torna-se cada vez mais difícil me afastar de pessoas que são ou foram importantes, não importa o tempo que estiveram presentes na minha vida. Desejo para essa mulher que está vendendo suas coisas para voltar aos Estados Unidos a mesma emoção que tive na minha última noite no Chile. Dormimos no mesmo colchão, eu, meu marido e minha filha, que na época tinha 2 anos de idade. As roupas já estavam guardadas nas malas. Fazia muito frio. Ao acordarmos, uma vizinha simpática nos ofereceu o café da manhã, já que não tínhamos nem uma xícara em casa.

Fomos embora carregando apenas o que havíamos vivido, levando as emoções todas: nenhuma recordação foi vendida ou entregue como brinde. Não pagamos excesso de bagagem e chegamos aqui com outro tipo de leveza.

... e se só possuímos na vida o que dela pudermos levar ao partir, é melhor refletir e começar a trabalhar o DESAPEGO JÁ!
© Martha Medeiros

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Deficiências

'Deficiente' é aquele que não consegue modificar sua vida, aceitando as imposições de outras pessoas ou da sociedade em que vive, sem ter consciência de que é dono do seu destino.
'Louco' é quem não procura ser feliz com o que possui.
'Cego' é aquele que não vê seu próximo morrer de frio, de fome, de miséria, e só tem olhos para seus míseros problemas e pequenas dores.
'Surdo' é aquele que não tem tempo de ouvir um desabafo de um amigo, ou o apelo de um irmão. Pois está sempre apressado para o trabalho e quer garantir seus tostões no fim do mês.
'Mudo' é aquele que não consegue falar o que sente e se esconde por trás da máscara da hipocrisia.
'Paralítico' é quem não consegue andar na direção daqueles que precisam de sua ajuda.
'Diabético' é quem não consegue ser doce.
'Anão' é quem não sabe deixar o amor crescer. E, finalmente, a pior das deficiências é ser miserável, pois:
'Miseráveis' são todos que não conseguem falar com Deus.

'A amizade é um amor que nunca morre. '

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Não quero

Não quero alguém que morra de amor por mim... Só preciso de alguém que viva por Mim, que queira estar junto de mim, me abraçando.

Não exijo que esse alguém me ame como eu o amo, quero apenas que me ame, não me importando com que intensidade. Não tenho a pretensão de que todas as pessoas que gosto, gostem de mim... Nem que eu faça a falta que elas me fazem, o importante pra mim é saber que eu, em algum momento, fui insubstituível... E que esse momento será inesquecível...

Só quero que meu sentimento seja valorizado. Quero sempre poder ter um sorriso estampando em meu rosto, mesmo quando a situação não for muito alegre... E que esse meu sorriso consiga transmitir paz para os que estiverem ao meu redor. Quero poder fechar meus olhos e imaginar alguém... e poder ter a absoluta certeza de que esse alguém também pensa em mim quando fecha os olhos, que faço falta quando não estou por perto.

Queria ter a certeza de que apesar de minhas renúncias e loucuras, alguém me valoriza pelo que sou, não pelo que tenho... Que me veja como um ser humano completo, que abusa demais dos bons sentimentos que a vida lhe proporciona, que dê valor ao que realmente importa, que é meu sentimento... e não brinque com ele. E que esse alguém me peça para que eu nunca mude, para que eu nunca cresça,
para que eu seja sempre eu mesmo.

Não quero brigar com o mundo, mas se um dia isso acontecer, quero ter forças suficientes para mostrar a ele que o amor existe... Que ele é superior ao ódio e ao rancor, e que não existe vitória sem humildade e paz.

Quero poder acreditar que mesmo se hoje eu fracassar, amanhã será outro dia, e se eu não desistir dos meus sonhos e propósitos, talvez obterei êxito e serei plenamente feliz. Que eu nunca deixe minha esperança ser abalada por palavras
pessimistas... Que a esperança nunca me pareça um "não" que a gente teima em maquiá-lo de verde e entendê-lo como "sim".

Quero poder ter a liberdade de dizer o que sinto a uma pessoa, de poder dizer a alguém o quanto ele é especial e importante pra mim, sem ter de me preocupar com terceiros... Sem correr o risco de ferir uma ou mais pessoas com esse sentimento. Quero, um dia, poder dizer às pessoas que nada foi em vão... que o amor existe, que vale a pena se doar às amizades a às pessoas, que a vida é bela sim, e que eu sempre dei o melhor de mim...e que valeu a pena!!!


© Mário Quintana

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Outra história do Pequeno Príncipe

Bom, existe uma história mais tocante ainda que aconteceu de fato com o criador do Pequeno Príncipe, o escritor francês Antoine de St. Exupéry.
Poucas pessoas sabem que ele lutou na Guerra Civil Espanhola, quando foi capturado pelo inimigo e levado ao cárcere para ser executado no dia seguinte.

Nervoso, ele procurou em sua bolsa um cigarro, e achou um, mas suas mãos estavam tremendo tanto que ele não podia nem mesmo levá-lo à boca. Procurou fósforos, mas não tinha, porque os soldados haviam tirado todos os fósforos de sua bolsa. Ele olhou então para o carcereiro e disse: "Por favor, usted tiene fosforo?". O carcereiro olhou para ele e
chegou perto para acender seu cigarro. Naquela fração de segundo, seus olhos se encontraram, e St. Exupéry sorriu.

Depois ele disse que não sabia por que sorriu, mas pode ser que quando se chega perto de outro ser humano seja difícil não sorrir. Naquele instante, uma chama pulou no espaço entre o coração dos dois homens e gerou um sorriso no rosto do carcereiro também. Ele acendeu o cigarro de St. Exupéry e ficou perto, olhando diretamente em seus olhos, e continuou sorrindo. St. Exupéry também continuou sorrindo para ele, vendo-o agora como pessoa, e não como carcereiro.

Parece que o carcereiro também começou a olhar St. Exupéry como pessoa, porque lhe perguntou:
- "Você tem filhos?"
- "Sim", St. Exupéry respondeu, e tirou da bolsa fotos de seus filhos. O carcereiro mostrou fotos de seus filhos também, e contou todos os seus planos e esperanças para o futuro deles. Os olhos de St. Exupéry se encheram de lágrimas quando disse que não tinha mais planos, porque ele jamais os veria de novo. Os olhos do carcereiro se encheram de lágrimas também. E de repente, sem nenhuma palavra, ele abriu a cela e guiou St. Exupéry para fora do cárcere, através das sinuosas ruas, para fora da cidade, e o libertou. Sem nenhuma palavra, o carcereiro deu meia-volta e retornou por onde veio.

St. Exupéry disse:
- "Minha vida foi salva por um sorriso do coração". O que foi aquela "chama" que pulou entre o coração desses dois homens? Isso tem sido tema de intensa pesquisa atualmente, na medida em que os cientistas estão se dando conta de que o coração não é meramente uma bomba mecânica, mas um sofisticado sistema para receber e processar informações. De fato, o coração envia mais mensagens ao cérebro que o cérebro envia ao coração!
Como disse o filósofo francês Blaise Pascal:
- "O coração tem razões que a própria razão desconhece".
Estados emocionais negativos, como raiva ou frustração, geram ondas eletromagnéticas totalmente caóticas do coração, como se estivéssemos pisando no acelerador e no breque simultaneamente. Esse estado de batimentos desordenados é chamado de "incoerência cardíaca" e está ligado a doença cardíaca, envelhecimento precoce, câncer e morte prematura.

Em estados de amor ou gratidão, nosso batimento cardíaco torna-se "coerente". Isso diminui a secreção dos hormônios do estresse, reduz a depressão, hipertensão e insônia, melhora o sistema imune e aumenta a clareza mental. Essa é uma das razões pelas quais tem sido provado que as emoções positivas estão associadas à boa saúde física e mental - e à longevidade. Essa irradiação coerente do coração - essa "chama" de genuína afeição - pode afetar pessoas a uma distância de até 5 metros! Logo, na próxima vez em que você estiver numa situação difícil, respire profundamente, lembre-se de St. Exupéry e do Pequeno Príncipe e irradie a energia de seu coração. Como o Pequeno Príncipe nos lembrou, "somente com o coração podemos ver com clareza".

© Susan Andrews

O essencial é invisível para os olhos... bom dia!

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Caráter não se ensina, se vive!

Numa tarde de domingo, o pai e seus dois filhos chegam ao parque de diversões, e dirigem-se à bilheteria, onde o pai pergunta:

- Olá, boa tarde. Quanto custa a entrada?

- São R$20,00 para o senhor e para qualquer criança maior de seis anos.

A entrada é grátis se eles tiverem seis anos ou menos.
Quantos anos eles têm?

- O menor tem três anos e o maior sete anos – respondeu o pai.

O rapaz da bilheteria então comentou:

- Poxa, se tivesse me dito que o mais velho tinha seis anos, eu não notaria a diferença, e você poderia ter economizado R$ 20,00.

O pai então respondeu:

- É verdade, talvez você não notasse a diferença, mas meus filhos saberiam que eu menti.

terça-feira, 23 de agosto de 2011

A menina e o tempo

Ela caminhava sem perceber a beleza daquela estrada.

Arvores com tons variados de verde, plantas de várias espécies, e flores de um colorido vibrante ornamentavam o caminho, o sol quente havia dado uma trégua, a temperatura estava fresca naquela manhã, mas a menina estava imersa em pensamentos, quando parou por alguns instantes e olhou para trás.

Viu o seu corpo atravessando o tempo, e constatou que sua alma ainda carregava os mesmos sonhos de antes. Mas agora os seus passos estavam mais lentos, e ela se perguntava, se ainda teria tempo para dividir os seus sonhos com alguém.

Quem aceitaria caminhar ao seu lado, trazendo na bagagem outros sonhos tantos, que se misturariam com os sonhos dela, e ambos dividiriam a tarefa de transformar a soma desses sonhos em realidade?

Neste momento, ela ouviu um assovio vindo de longe, chegando aos seus ouvidos, de mansinho, assim como quem canta uma canção ao vento.

Ela olhou para a frente, e viu nitidamente o tempo passando por ela, e lhe acenando. Ela acenou de volta.

O tempo percebeu, admirado, que ela o via. Então ele parou, olhou para a menina e lhe falou:
- Você é a menina que carrega sonhos... seus pensamentos me trouxeram até aqui.

Ela disse ao tempo: Eu, menina? Sem ironia, ok?

O tempo, sem perder tempo, respondeu:
Menina sim... uma menina que caminha há 48 anos, mas com o mesmo coração dos 20, e das mais sonhadoras...

Continue caminhando sem olhar para trás! Seja firme! Não pare.

Ela argumentou:
Como posso continuar caminhando, se carrego tantos sonhos comigo?
Percebe como meus passos ficam mais lentos, a cada sonho sonhado?
Ta difícil caminhar, mas não posso abandonar os meus sonhos, sinto o peso deles, não tenho com quem dividi-los... e eu...

O Tempo a interrompeu:
Deixe esta tarefa de carregar sonhos para mim!
Eu carrego os sonhos de todo o mundo!
Fique tranqüila menina, os sonhos são imortais, são feitos de matéria indestrutível.
Se pressupõe que sua caminhada ficará mais leve, entregue-me os seus sonhos.
Eu os levarei comigo, os guardarei para você, e a menina os terá novamente, mas em um outro tempo...

Então a Menina entregou todos os seus sonhos para o tempo.

E o tempo passando, se foi.

Agora ela caminhava leve, mas começava a sentir uma sensação estranha... um vazio...

Desanimada, parou na margem da estrada, olhou para os lados, foi quando percebeu que a paisagem mudou, e ela nem sabia para onde iria...

A resposta veio imediata: Para quem não carrega sonhos, qualquer lugar serve...

O horizonte, antes colorido, tornou-se preto e branco. As cores fugiram de sua estrada... foram-se com os sonhos. O Azul Céu, o Vermelho Paixão, o Rosa Amor, o Amarelo Alegria.
Fugiram também, o sabor e a cor dos caramelos.

O perfume da vida foi junto. Um tem tudo a ver com o outro:
Sonhos, cores, caramelos e perfumes.

(Do universo das cores, só restou o verde dos seus olhos a refletir o que ela não entendia)

Chegou a noite e no gramado cinzento ela deitou e adormeceu. Teve sonhos que lhe falavam sobre a importância de cada pessoa carregar os seus sonhos, mesmo que fossem sonhos antigos, que nunca poderiam se realizar. O peso de perder os sonhos era maior que o peso de carregá-los. Dormindo, ela entendeu que os sonhos não precisam ser realizados, basta que existam. Precisam existir para preencher vazios.

Sonhos são companheiros de estrada. Existem para colorir a vida. São toda a beleza dos dias.

Ela acordou com os primeiros raios de sol, estava feliz, havia entendido o que precisava entender... Sentia uma necessidade imensa de sonhar novos sonhos e carregá-los consigo, pelo mesmo caminho, até o fim da estrada.

As cores voltavam suavemente, agora ela já tinha o primeiro sonho para carregar: a vontade de sonhar novamente. (talvez, por isso, o verde nunca sairá dos seus olhos...)

© Lisie Silva, 17 de Julho de 2011 - Manaus

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

O presente

Fui à livraria comprar um buquê de versos. O florista que me atendeu disse-me que estavam em falta. Mas não desisti. Fui até a loja que vende flores e pedi um livro de poesias cheirando a jasmins. O livreiro desculpou-se dizendo que estava esgotado.

Teimoso como sou entrei no circo querendo comprar a tristeza do palhaço, mas só tinham para vender a caricatura do seu sorriso.

Diante disso, fui até a maternidade tentando achar um pouco de ternura, mas a enfermeira garantiu-me que isso só se encontra nos livros de poesia. Então, ante o dilema de parar ou seguir, decidi continuar à procura do presente, pois queria mandar algo que significasse mais do que apenas um mimo.

Sim, revirei meia cidade buscando alguns gritos de felicidade, mas só achei gemidos de segunda mão. Tentei encontrar suspiros de prazer, porém o lojista só dispunha de silêncios que não paravam de gritar. Revirei as estantes à cata de um vinho feito de suor gerado no desejo e de lágrimas paridas na emoção do encontro, mas apenas achei garrafas vazias e cansadas de esperar por quem as encha.

E foi assim que de prateleira em prateleira, de loja em loja, de bairro em bairro, esgotei o estoque de possibilidades, pois na cidade apenas sobraram sem mácula as esquinas da vida, as praças da esperança, as árvores impávidas, e os ninhos sem cadeado onde habitam os pássaros sem tristeza.

Por tudo isso é que só me restou uma alternativa, e a uso antes que seja tarde demais. Espero então que aproveite a esquina que lhe mando para nela aguardar até que o sinal da felicidade fique verde de alegria; a praça, para que desde um dos seus bancos, e olhando o céu, possa desfolhar a alegoria do amanhecer recitando borboletas de todas as cores; as árvores, para que à sombra dos seus galhos floresça a inspiração sempre que ela visite os seus domínios; os ninhos, para dar guarida ao gorjeio sentimental que sua sensibilidade borde em prosa e verso sobre a toalha de renda da vida; e os pássaros felizes, para que sobrevoem as paisagens que a sua imaginação lhes implante nas retinas.

Como ja disse, isto foi o único que achei para mandar. Sei que é muito pouco, pouco até demais, não mais do que uma amostra de esperança, mas como tratei de explicar, foi o único que achei para mandar.

© Bruno Kampel

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Se eu pudesse

Acordei hoje pensando que, se eu pudesse, mudava minha vida toda; não que ela esteja ruim, mas só para ver que ela poderia ser diferente.
Me desfaria de muitas coisas: da minha casa e de quase todas as roupas. Afinal, quem precisa de mais de dois pares de sapato, dois jeans, quatro camisetas e dois suéteres, sobretudo quando está mudando de vida?

Se eu tivesse jóias, enterrava todas elas na areia da praia para que um dia alguém enfiasse a mão na areia, brincando, e tivesse a felicidade de encontrar um colar de brilhantes.
Seria lindo, não? Das garrafas de champanhe guardadas cuidadosamente na horizontal, daria para abrir mão, sem nenhum remorso; champanhe, além de engordar, não passa de um espumante metido a alguma coisa e nem barato dá, de tão fraquinho que é.

Dos vinhos, mais fácil ainda. É um tal problema ter vinhos em casa, abrir a garrafa e descobrir que viraram vinagre, que se acaba chegando à conclusão de que nada melhor do que uma boa vodca, com a qual sempre se pode contar. E as amizades? Aliás, as amizades, não: as relações. Ah, se tivesse coragem rasgava o caderno de telefones e fazia outro, só com o nome das pessoas que estão guardadas dentro do coração. Aliás, para essas nem precisaria de agenda.

Se pudesse, seria vegetariana, passaria as noites em claro e teria muito amor por todos os bichos e pelas crianças. Mas como não gosto de bichos (só de gatos) e não tenho nenhuma paciência com crianças, a não ser as minhas, vou ter que atravessar a vida levando essa pesadíssima cruz; afinal, ficou combinado que de certas coisas não se pode não gostar, e se não gostar, não se pode dizer.

Se pudesse, me transformaria numa pessoa sem passado e sem futuro; iria para um lugar esquisito onde não entenderia a língua do povo, ninguém entenderia a minha e ninguém conseguiria me fazer sofrer, pois a capacidade de sofrer é um bem pessoal e intransferível. Seríamos todos, assumidamente, estranhos, como somos no edifício em que moramos, no local de trabalho, dentro da nossa própria família. Ou você pensa que as pessoas se conhecem só porque se telefonam e jantam juntas?

Se eu pudesse, acordaria hoje de madrugada e sairia descalça, só com um casaco em cima da pele, e iria molhar os pés na água do mar, sozinha. E depois ia tomar café num botequim, em pé, como fazem os homens.

Se eu pudesse, faria uma linda fogueira com meus casacos de pele para saber como vivem os que não têm, nunca tiveram nem nunca vão ter nenhum. E aproveitando o embalo, cortaria os fios do telefone, jogaria o celular na tela da televisão e o computador pela janela.

Se eu pudesse, rasparia a cabeça, fumaria dois cigarros ao mesmo tempo e tomaria uma vodca dupla, sem gelo, num copo de geléia. E pegaria uma tesourinha para picar os talões de cheques, cortar os cartões de crédito, carteira de identidade, o CPF, e o passaporte, sem pensar um só instante nas conseqüências, e sem um pingo de medo do futuro. E jogaria no lixo meus lençóis, meus travesseiros de pluma, meu edredom, e engoliria minhas pestanas postiças, só para aprender que a vida não é isso.

Se eu pudesse, esqueceria do meu nome, do meu passado e da minha história, e iria ser ninguém. Ninguém. Pois é, tem dias que a gente acorda assim; mas passa.

© Danuza Leão

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

A outra janela

A menina debruçada na janela trazia nos olhos grossas lágrimas e o peito oprimido pelo sentimento de dor causado pela morte de seu cão de estimação. Com pesar observava atenta o jardineiro a enterrar o corpo do amigo de tantas brincadeiras. A cada pá de terra jogada sobre o animal, sentia como se sua felicidade estivesse sendo soterrada também.

O avô que observava a neta, aproximou-se envolveu-a em um abraço e falou-lhe com serenidade:

- Triste a cena, não é verdade?

A netinha ficou ainda mais triste e as lágrimas rolaram em abundância. No entanto, o avô que desejava confortá-la chamou-lhe a atenção para outra realidade. Tomou-lhe pela mão e a conduziu para uma janela opostamente localizada na ampla sala. Abriu as cortinas e permitiu-lhe que visse o jardim florido a sua frente e lhe perguntou carinhosamente: Está vendo aquele pé de rosas amarelas bem ali a frente? Lembra que você me ajudou a plantá-lo? Foi em um dia de sol como hoje que nós dois o plantamos. Era apenas um pequeno galho cheio de espinhos e hoje veja como está lindo, carregado de flores perfumadas e botões como promessa de novas rosas.

A menina enxugou as lágrimas que ainda teimavam em permanecer em suas faces e abriu um largo sorriso mostrando as abelhas que pousavam sobre as flores e as borboletas que faziam festa entre umas e outras das tantas rosas de variados matizes que enfeitavam o jardim.

O avô, satisfeito por tê-la ajudado a superar o momento de dor falou-lhe com afeto: - Veja, minha filha. A vida nos oferece sempre várias janelas.

Quando a paisagem de uma delas nos causa tristeza sem que possamos alterar o quadro, voltamo-nos para outra e certamente nos deparamos com uma paisagem diferente.

Tantos são os momentos de nossa existência, tantas as oportunidades de aprendizado que nos visitam no dia-a-dia que não vale a pena sofrer diante de quadros que não podemos alterar. São experiências valiosas da vida, das quais devemos tirar lições oportunas sem nos deixar tragar pelo desespero e revolta que só infelicitam e denotam a falta de confiança em Deus.

A nossa visão do mundo é muito limitada. Mas Deus tem sempre objetivos nobres e uma proposta de felicidade para nos aguardar após cada dificuldade superada.

Se hoje você está a observar um quadro desolador, lembre-se de que existem tantas outras janelas, com paisagens repletas de promessas de melhores dias. Não se permita contemplar a janela da dor. Aproveite a lição e siga em frente com ânimo e disposição.

Agindo assim, o gosto amargo do sofrimento logo cede lugar ao sabor agradável de viver e saber que Deus nos ampara em todos os momentos da nossa vida.

- Autor Desconhecido

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

É triste dizer Adeus

É triste dizer adeus, mas às vezes é necessário. Não podemos prender a nós definitivamente as pessoas que amamos para suprir nossa necessidade de afeto. O amor que ama, aprende a libertar.

Procuramos ganhar tempo para tudo na vida. Mas a vida, quando chega no próprio limite, despede-se e é esse último adeus que é difícil de compreender e, mais ainda, aceitar.

Possuímos um conceito errado do amor. Amar seria, no seu total significado, colocar a felicidade do outro acima de tudo, mas na realidade é a nossa felicidade que levamos em consideração. Queremos os que amamos perto de nós porque isso nos completa, nos deixa bem e seguros. E aceitar que nos deixem é a mais difícil de todas as coisas.

Não dizemos sempre que queremos partir antes de todos os que amamos? Isso é para evitar nosso próprio sofrimento, nossa própria desolação.

É o amor na sua forma egoísta.

Aceitar um adeus definitivo é uma luta. Se as perdas acontecem cedo demais ou de forma inesperada, o sentimento de desamparo é muito maior e a dor mais prolongada. É o incompreensível casando-se com o inaceitável e o tudo rasgando a alma. Essas dores poderão se acalmar, mas nunca se apagarão.

Mas quando a vida chega ao final depois de primaveras e primaveras e outonos e mais outonos, nada mais justo que o repouso e aceitar a partida é uma forma de dizer ao outro que o amamos, apesar da falta que vai fazer.

Não podemos prender as pessoas a nós para ter a oportunidade de dizer tudo o que queremos ou fazer tudo o que podemos por elas. De qualquer forma, depois que se forem, sempre nos perguntaremos se não poderíamos ter dito ou feito algo mais. Mas essas questões são inúteis.

O amor que ama integralmente não quer ver o outro sofrer e ele abre mão dos próprios sentimentos para que o destino se cumpra, para que a vida siga seu curso.

As dores do adeus são as mais profundas de todas. Mas elas também amenizam-se com o tempo e um dia, sem culpa, voltamos a sorrir, voltamos a abrir a janela e descobrimos novamente o arco-íris da vida.

Depois da tempestade descobrimos um dia novo e o sol brilha de maneira diferente. E talvez seja assim que aprendemos a dar valor à vida, aos que nos cercam; aprendemos a viver de forma a não ter arrependimentos depois e aproveitar ainda mais cada segundo vivido em companhia daqueles que nosso coração ama.

© Letícia Thompson

quarta-feira, 27 de julho de 2011

A Ponte

Toda corrente de água desliza entre duas margens.
Margens que detêm e ordenam.
Que a impedem de invadir os campos.
Que lhe traçam um caminho.
Duas margens que permitem a essas águas formar um todo
e realizar sua tarefa:
“regar as planícies através das quais desliza.”
E as margens ficam distantes uma da outra…
Elas, porém, podem unir-se, aproximar-se, fundir-se quase,
quando sobre as águas se estende uma ponte.
Olhando a ponte sente-se a tarefa imensa
e ao mesmo tempo agradável, executada por ela.
Como um abraço amigo que aproxima duas separações.
Como um diálogo silencioso faz conversarem duas solidões.
Como a mão estendida fraterniza dois estranhos.
Se a ponte pudesse sentir, poderíamos, sem dúvida, qualificá-la de feliz.
Feliz por ser capaz de tornar o outro feliz.
E nunca se colhe felicidade maior do que quando
se semeia a felicidade.
A ponte tem, para cada um de nós, um profundo
e significativo simbolismo.
É a lição perene, silenciosa e rica, no dia-a-dia,
da sua missão de ligar e aproximar,
de encurtar distâncias, de separar abismos.
Diante de uma ponte nos ocorrem reflexões
que alguém escreveu:
“Em êxtase contemplativo olho a ponte, admiro a ponte,
escuto a linguagem da ponte…
…Sou forte, terrivelmente forte.
Resisto a tudo e permaneço sempre estática,
mas perseverante em meu posto de serviço.
O segredo da minha força?
De minha perseverança?
De minha grandeza?
Nasci para unir!
Vivo para unir!
Sirvo para unir!
Como gostaria de ser também uma ponte!
Para unir a terra aos céus!
Unir os desunidos…
Unir os desencontrados…
Unir os corações!!!
© Hugo Di Baggio

terça-feira, 19 de julho de 2011

A menina das maçãs


Por Herman Rosenblat *
Agosto de 1942 - Piotrkow, Polônia.


Naquela manhã o céu estava sombrio, enquanto esperávamos ansiosamente. Poucas horas antes todos os homens, mulheres e crianças do gueto judeu de Piotrkow foram arrancados de suas casas e arrebanhados na praça do gueto - para remoção coletiva, segundo os rumores que se espalhou.

Meu pai havia falecido recentemente de tifo, que se alastrara através do gueto abarrotado. Meu maior medo era separarem nossa família.

“O que quer que aconteça,” murmurou Isidore, meu irmão mais velho. “Não lhes diga a sua idade verdadeira; diga que tem dezesseis anos”.

Apesar de magro em virtude da falta de alimentos eu era bem mais alto do que outros meninos de 11 anos que conhecia; talvez poderia ser confundido e assim, ser considerado valioso como um trabalhador.

Um homem da SS se aproximou com passos firmes, com botas estalando nas pedras grosseiras do piso. Olhou-me de cima a baixo e perguntou minha idade. “Dezesseis”, eu disse. Ele mandou-me ir à esquerda, onde já estavam meus três irmãos e outros jovens saudáveis.


Herman
Ela jamais havia falado de forma tão aspera assim! Depois eu entendi porque ela havia falando daquela forma comigo: ela estava me protegendo. Ela nos amava tanto que, apenas naquela única vez, ela fingiu não fazê-lo. Foi a última vez que a vi.

Meus irmãos e eu fomos transportados de trem até a Alemanha. Semanas depois, confinado dentro de um vagão de gado que parava várias vezes por dia em virtude de incotáveis barreiras e paradas, chegamos ao campo de concentração de Buchenwald e fomos imediatamente conduzidos a uma barraca lotada. No dia seguinte recebemos uniformes e números de identificação.

“Não me chamem mais de Herman”, eu disse aos meus irmãos. “Chamem-me 94938?.

Colocaram-me para trabalhar no crematório do campo, carregando corpos em um elevador manual. Ao fim do primeiro dia de trabalho eu também já me sentia como morto; insensibilizado por aquele horror eu me tornara simplesmente um número. Logo, meus irmãos e eu fomos mandados para Schlieben, um dos sub-campos de Buchenwald, perto de Berlim.

Em uma certa manhã pensei que ouvi a voz de minha mãe: “Filho” disse ela, suave mas claramente; “Vou mandar-te um anjo.” Então acordei, havia sido apenas um sonho! Um lindo sonho! Mas nesse lugar não poderia haver anjos. Havia apenas trabalho, fome, medo, dor e morte…

Dias depois, caminhando sozinho entre as barracas do campo, próximo a uma das cercas de arame farpado, onde os guardas não podiam enxergar facilmente, observei alguém do outro lado da cerca: uma pequena menina com suaves, quase luminosos cachinhos. Ela estava meio escondida atrás de uma bétula. Dei uma olhada em volta para certificar-me de que ninguém me via, e a chamei baixinho, em alemão.

“Você tem algo para comer?” Mas ela não entendeu. Aproximei-me mais da cerca e sempre olhando para os lados repeti a pergunta em Polonês. Eu estava magro e raquítico, com farrapos envolvendo meus pés, mas a menina parecia não ter medo e se aproximou. Em seus olhos eu vi vida. Ela pegou uma maçã do seu casaco de lã e a jogou sobre a cerca. Agarrei a fruta e, assim que comecei a fugir, ouvi-a dizer baixinho, “Virei vê-lo amanhã”!

Daquela dia em diante, com precauções sempre renovadas, sempre que podia voltava ao mesmo local da cerca, na mesma hora. Ela estava sempre lá, com algo de comer para me dar - um pedaço de pão ou, melhor ainda, uma maçã. Em todos aqueles momentos jamais ousávamos falar ou demorarmos. Sermos pegos significaria morte para nós dois. Não sabia nada sobre ela, apenas que era uma menina de fazenda entendia Polonês. Qual era o seu nome? Porque ela arriscava sua vida por mim?” Boa parte de minhas poucas esperanças em sobreviver estava naquele pequeno suprimento de alimentos que aquela menina, do outro lado, me trazia.

Aproximadamente sete meses depois, eu e meus irmãos fomos abarrotados em um vagão de carvão e enviados para o campo de Theresiensatdt, na Tchecoeslováquia. “Não volte”, eu disse para a menina naquele dia. “Estamos partindo”. Voltei-me em direção às barracas sem olhar para trás, com medo de ser apanhado. Nem mesmo disse adeus a pequena menina, cujo nome eu nunca aprendi. A menina das maçãs.

Permanecemos em Theresienstadt por três meses. A guerra estava diminuindo e as forças aliadas se aproximando, muito embora meu destino parecia estar selado: estava agendado para morrer na câmara de gás às 10 horas da manhã do dia 10 de maio de 1945. Soube disso através de outro prisioneiro que limpava os escritórios do campo e sempre que possível lia ordens do camando afixados em alguns quadros. Assim, por muitas vezes ficavamos sabendo o que iria ocorrer nos dias seguintes. Quando soube disso, não chorei, não tinha mais lágrimas para chorar. Não tinha mais medo da morte; na verdade, algumas vezes a desejava… Mesmo assim, nos três crepúsculos silenciosos das noites que antecederam o dia marcado, tentei me preparar para minha morte.

Por tantas vezes a morte pareceu pronta para me reclamar, mas de alguma forma eu sobrevivi. Agora, tudo estava acabado. Pensei nos meus pais. Ao menos, pensei, estaríamos reunindos novamente.

No entanto, pouco antes das 8:00 horas do dia em que estava marcado para morrer, ocorreu uma comoção no campo. Ouvi explosões, tiros, gritos… Olhei pela porta da barraca onde estava e vi pessoas correndo em todas as direções através do campo. Juntei-me aos meus irmãos e perguntei-lhe o que estava ocorrendo, mas não sabia de nada. Minutos depois um prisioneiro entra no barraco onde estávamos e grita: “Os russos estão aqui, os alemães estão mortos ou fugiram, os portãos do campo estão abertos!” Saímos e vimos todos correndo para for a do campo, então corremos também sem sabermos para onde íamos.

Surpreendentemente, eu e meus irmãos sobrevivemos. Não tenho certeza como, mas sabia que aquela menina das maçãs tinha sido uma das razões da minha sobrevivência.

No local onde o mal parecia triunfar, a bondade de uma pessoa gerou-me esperanças e acabou contrinuíndo para salvar a minha vida.

Minha mãe havia prometido enviar-me um anjo, e o anjo apareceu…

Com a ajuda e piedade de tantos que encontrei pelos caminhos que percorri depois da libertação do campo, meses depois consegui chegar à Inglaterra, onde fui socorrido pela Caridade Judaica: me alojaram em uma hospedaria com outros meninos que sobreviveram ao Holocausto e em uma escola onde, além do inglês e disciplinas regulares estudavamos eletrônica. Cinco anos depois fui para os Estados Unidos, para onde meu irmão Sam já havia se mudado. Servi no Exército por dois anos durante a Guerra da Coréia e retornei a Nova Iorque.

Em agosto de 1957, com economias que fiz do salário que recebi no exército, abri uma lojinha de consertos eletrônicos. Estava começando a estabelecer-me, a verdadeiramente iniciar uma nova vida…

Um dia, meu amigo Sid, que conheci da Inglaterra, me telefonou.

“Tenho um encontro. Ela tem uma amiga polonesa. Vamos sair juntos?”

Um encontro às cegas? Não, isso não era para mim.

Mas Sid insistiu tanto que poucos dias depois fomos ao Bronx buscar a garota com quem Sid iria sair, e a amiga dela, a polonesa Roma.

Tenho que admitir, para um encontro às cegas, não foi tão ruim. Roma era enfermeira em um hospital do Bronx. Ela era gentil e esperta. Bonita, também, com cabelos castanhos cacheados e olhos verdes amendoados que faiscavam com vida.

Nós quatro nos dirigimos até Coney Island. Roma mostrou ser uma boa companhia com quem era fácil falar e gostoso de se estar junto.

Descobri que ela era igualmente cautelosa com encontros às cegas.

No início, estávamos apenas fazendo um favor aos nossos amigos. Demos um passeio na beira da praia, gozando a brisa salgada do Atlântico e depois jantamos perto da margem. Não poderia me lembrar de ter tido momentos melhores.

Voltamos ao carro do Sid, Roma e eu dividimos o assento traseiro.

Como judeus europeus que haviam sobrevivido à guerra, sabíamos que muita coisa foi deixada sem ser dita entre nós. Ela puxou o assunto, “Onde você estava”, perguntou delicadamente, “durante a guerra?”

“Nos campos de concentração”, disse. Terríveis memórias, irreparáveis perdas… Tentei esquecer, mas como esqueçer tantas dores?

“Minha família se escondeu em uma fazenda na Alemanha, próximo de Berlim”, disse-me ela. “Meu pai conhecia um padre, e ele nos deu papéis arianos.”

Imaginei como ela deve ter sofrido também, medo, uma constante companhia. Mesmo assim, aqui estávamos, ambos sobreviventes, em um mundo novo.

“Havia um campo perto da fazenda”, continuou Roma. “Eu via um menino lá e sempre que possível lhe jogava alguma comida, especialmente maçãs.”


Herman e Roma
“Ele era alto, magro e faminto. Devo tê-lo visto, quase diariamente, por uns seis meses.”

Meu coração estava aos pulos, descontrolado. Não podia acreditar. Isso não podia ser!!!

“Ele lhe disse, um dia, para você não voltar porque ele estava saindo de Schlieben?”.

Roma me olhou estupefata, de uma forma tão profunda que senti como se meus olhos tivessem sidos atravessados. “Sim!”.

“Era eu!”.

Estava para explodir com um misto de alegria e susto inundado meu coração. Não podia acreditar! Reencontrei a menina das maçãs, o meu anjo!

“Não vou deixar você partir”, disse-lhe em seguida. E na trazeira daquele carro, naquele encontro às cegas, pedi-a em casamento. Não queria esperar.

“Você está louco!”, disse ela. Mas convidou-me para conhecer seus pais no jantar do Shabbat da semana seguinte.

Havia tanto que eu ansiava descobrir sobre Roma, mas as coisas mais importantes eu sempre soube: sua firmeza, sua bondade. Por muitos meses, nas piores circunstâncias, ela veio até a cerca e me trouxe esperanças.

Semanas depois, com o consentimento da família, ela disse sim. Hoje, após quase 50 anos de casamento, dois filhos e três netos, ela continua sendo meu anjo e eu jamais a deixarei partir…

Se alguém viver quatrocentos anos, ele dificelmente passará pelas experiências que passei em sessenta…

* Herman Rosenblat, sobrevivente do holocausto, técnico eletrônico aposentado. A vida não permitiu que Herman celebrasse seu Bar Mitzvah (cerimônia religiosa onde os meninos judeus marcam sua entrada na maioridade; mas em fevereiro de 2006, então com 75 anos de idade, finalmente o fez…

Notas

1. Os nomes verdadeiros dos atores reais desta história de vida são Herman e Rona Rosenblat. Os nomes reais foram revelados posteriormente pelos próprios protagonistas, em reportagem (com fotos do casal) da revista Guideposts, na edição de agosto de 2006, para desmentir boatos que essa história não era verdadeira.

2. Depois da entrevista à revista Guideposts, o casal se recolheu e não concedeu mais entrevistas à imprensa.

3. O nome Herman Rosenblat conta no catálogo telefônico de Miami (edição 2007), o que faz supor de que pelo menos um deles ainda está vivo.

4. Esta história real foi adaptada para o cinema e filmada pela Atlantic Overseas Pictures em parceria com a EuroCo Productions, com o título Flower of the Fence, estrelado por Richard Dreyfuss com o nome de A CERCA.