Frase do dia
Related Posts with Thumbnails

sexta-feira, 3 de maio de 2013

A dor que dói mais

"Em alguma outra vida, devemos ter feito algo de muito grave, para sentirmos tanta saudade..."
 

Trancar o dedo numa porta dói. Bater com o queixo no chão dói. Torcer o tornozelo dói. Um tapa, um soco, um pontapé, dóem. Dói bater a cabeça na quina da mesa, dói morder a língua, dói cólica, cárie e pedra no rim. Mas o que mais dói é saudade.

Saudade de um irmão que mora longe. Saudade de uma cachoeira da infância. Saudade do gosto de uma fruta que não se encontra mais. Saudade do pai que já morreu. Saudade de um amigo imaginário que nunca existiu. Saudade de uma cidade. Saudade da gente mesmo, que o tempo não perdoa. Dóem essas saudades todas.

Mas a saudade mais dolorida é a saudade de quem se ama. Saudade da pele, do cheiro, dos beijos. Saudade da presença, e até da ausência consentida. Você podia ficar na sala e ele no quarto, sem se verem, mas sabiam-se lá. Você podia ir para o escritório e ele para o dentista, mas sabiam-se onde. Você podia ficar o dia sem vê-lo, ele o dia sem vê-la, mas sabiam-se amanhã. Mas quando o amor de um acaba, ao outro sobra uma saudade que ninguém sabe como deter.

Saudade é não saber. Não saber mais se ele continua se gripando no inverno. Não saber mais se ela continua pintando o cabelo de vermelho. Não saber se ele ainda usa a camisa que você deu. Não saber se ela foi na consulta com o dermatologista como prometeu. Não saber se ele tem comido frango assado, se ela tem assistido as aulas de inglês, se ele aprendeu a entrar na Internet, se ela aprendeu a estacionar entre dois carros, se ele continua fumando Carlton, se ela continua preferindo Pepsi, se ele continua sorrindo, se ela continua dançando, se ele continua surfando, se ela continua lhe amando.

Saudade é não saber. Não saber o que fazer com os dias que ficaram mais compridos, não saber como encontrar tarefas que lhe cessem o pensamento, não saber como frear as lágrimas diante de uma música, não saber como vencer a dor de um silêncio que nada preenche.

Saudade é não querer saber se ele está com outra, e ao mesmo tempo querer. É não querer saber se ela está feliz, e ao mesmo tempo querer. É não querer saber se ele está mais magro, se ela está mais bela. Saudade é nunca mais saber de quem se ama, e ainda assim, doer.

Saudade é isso que senti enquanto estive escrevendo e o que você, provavelmente, está sentindo agora depois que acabou de ler...


Martha Medeiros (1961) é escritora gaúcha.
A dor que dói mais 
foi publicado originalmente em 20 de Julho de 1998
na extinta coluna assinada por ela no site "Almas Gêmeas".
Circula desde então pela internet falsamente atribuído a
Luis Fernando Verissimo, Arnaldo Jabor e Miguel Falabella.

- Presente de Larinha -

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Descubra suas 'gestalts abertas'

Você não sabe o que é gestalts? Vai ouvir falar...

Não tenho tempo para nada! Como vou arranjar tempo para fazer isto? Estou esgotado! Estou estressado! Essas queixas e outras semelhantes parecem familiares a você? São comuns a muitas pessoas hoje em dia.

Utilizar produtivamente nosso tempo é um problema para a maioria de nós: trabalho, família, estudo, vida social, esporte, lazer, cidadania e outras áreas de atividades requisitam continuamente nosso tempo. Às vezes nos parece que as 24 horas do dia não são suficientes para fazermos tudo o que necessitamos. E isto nos esgota.

Por vezes, iniciamos várias atividades e, por alguma razão, não as conseguimos concluir. Nos sentimos amarrados, sem produtividade. Estamos aparentemente fazendo muitas coisas, mas o resultado é frustrante... E nos sentimos esgotados, sem energia.

A psicologia da Gestalt pode nos ajudar, de forma simples e intuitiva, a compreender porque isto acontece e como podemos ser mais produtivos sem nos cansarmos tanto.

Gestalt (pronuncia-se guestalt) é uma palavra de origem alemã que pode ser traduzida aproximadamente como 'forma total' ou 'forma global'. A psicologia da Gestalt enfoca as leis mentais - os princípios que determinam a maneira como percebemos as coisas.

Podemos ter uma compreensão intuitiva de uma das leis básicas da Gestalt por meio das figuras abaixo.


Atividades não completadas no cotidiano consomem energia e podem provocar estresse.

A maioria das pessoas quando solicitadas, de surpresa, a dizerem rapidamente que figuras são estas, dirão que são um triângulo e um círculo. Mas estarão erradas. Triângulo e círculo são figuras fechadas e estas são abertas. Segundo a psicologia da Gestalt, este engano ocorre por duas razões básicas:

- Tendemos a perceber as coisas de maneira global num primeiro momento;

- Tendemos, inconscientemente, a fechar gestalts abertas, isto é, a concluir ou fechar figuras ou objetos que achamos que estão incompletos.

Esta segunda razão é a base de uma maneira mais produtiva de utilizarmos nosso tempo.

Comecemos com um exemplo: vamos imaginar que, querendo ficar em forma, perder a barriga, nos inscrevemos numa academia de ginástica. Começamos com entusiasmo e depois, por falta de vontade ou 'falta de tempo', vamos espaçando as vezes que a freqüentamos, até pararmos. Contudo, não abandonamos o nosso sonho de ficar em forma, 'justificando' para nós mesmos e para os outros que, quando tivermos tempo, voltaremos a freqüentar a academia e ficaremos em ótima forma! Este sonho ou projeto de ficar em forma, enquanto não concluído ou claramente abandonado, é uma gestalt aberta que continua nos puxando energia.

Se além desta gestalt aberta, tivermos muitas outras, como por exemplo, o curso de inglês que queremos fazer, mas protelamos, a viagem com que sonhamos continuamente e nunca nos mobilizamos de fato para realizá-la, a construção de uma casa de campo, a reorganização dos arquivos do escritório ou a arrumação do 'quarto de despejo' (“qualquer dia destes eu dou um jeito nisto”), nosso nível de energia pessoal disponível diminui. Isto porque cada gestalt aberta nos requisita continuamente energia para fechá-la.

Quanto mais gestalts abertas tivermos, menos energia psíquica teremos disponível, causando aquela sensação de cansaço, stress, dificuldade de tomar decisões.

© Leonel Vieira
psicólogo clínico e organizacional.

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

O Escravo

Um escravo,  tendo sido criado sob o estudo da espiritualidade,  tornou-se de grande valor para o seu senhor,  por causa da sua honradez e bom comportamento; tanto, que seu senhor o elevou a uma posição de importância, isto é,  administrador das suas fazendas.
Numa ocasião, o seu senhor desejou comprar mais vinte escravos, e mandou que o novo administrador os escolhesse,  dizendo que queria os mais fortes,  e os que trabalhassem melhor.
O escravo foi ao mercado e começou a sua busca;  fixou a vista num velho e decrépito escravo,  e disse ao senhor que  aquele havia de ser um dos escolhidos.
O senhor ficou surpreendido com a escolha,  e não queria concordar,  sem entender nada o pobre velho pediu que fossem indulgentes com ele.
O negociante então,  disse que se eles comprassem vinte,  daria o velho de graça.
A compra,  portanto,   foi feita,  e os escravos foram levados para as fazendas do seu novo senhor;  mas o antigo escravo tratou o velho decrépito com muito mais cuidado e atenção do que a qualquer dos outros.
Levou-o para sua casa, dava-lhe da sua comida, quando tinha frio, levava-o para o sol, quando tinha calor colocava-o debaixo das arvores de cacau,  a sombra.
Admirado das atenções que o seu antigo escravo dispensava a um outro escravo,  seu senhor lhe perguntou por que fazia isso.

 Decerto não se interessaria tanto por ele sem ter algum motivo especial:
 - É teu parente,  talvez teu pai?
O pobre escravo respondeu:
 - Não senhor não é meu pai.
 - É então o teu Irmão mais velho?
 - Não senhor não é meu irmão.
 - Então é teu tio ou outro parente?
 - Não tenho parentesco algum com ele,  nem mesmo é meu amigo.
 - Então,  perguntou o seu senhor,  por que motivo tens tanto interesse por ele?
 - Ele é meu inimigo,  senhor,  respondeu o escravo,  vendeu-me a um negociante,  mas aprendi nos ensinamentos do Mestre que devemos perdoar os nossos inimigos e que quando o teu inimigo tiver fome,  dá-lhe de comer,  e quando ele tiver sede,   dá-lhe de beber...

E esta é a oportunidade que tenho de colocar meus aprendizados em prática.

- Autor desconhecido -

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Apenas um Instrumento


Há muito tempo eu me faço essa pergunta
Me diz.... Qual a importância da aparência?
Será que o corpo é a razão da existência?
E a alma não passa de algo banal?
Desde a infância
Eu me pergunto a mesma coisa
Será que a roupa tem maior valor?
Será que o nosso espírito tem cor?
E o que usamos é o essencial

Fique certo de que eu não sou o que vês
Não se iluda nem se prenda a bobagem
Pois seja ouro, ferro, cobre ou manganês
A matéria não passará de roupagem
O nosso corpo é apenas o instrumento
E se o temos é preciso trabalhar
Porém não se esqueça de olhar pra dentro
Pois de bem com a alma devemos estar

Ta lá dentro, tá no fundo isso eu sei
tá na alma, onde os olhos não vêem

tá lá dentro, tá no fundo isso eu sei
tá na alma, onde os olhos não vêem

Fique certo de que eu não sou o que vês
Não se iluda nem se prenda a bobagem
Pois seja ouro, ferro, cobre ou manganês
A matéria não passará de roupagem
O nosso corpo é apenas o instrumento
E se o temos é preciso trabalhar
Em prol do bem
Porém não esqueça de olhar pra dentro
Pois de bem com a alma devemos estar
Tá lá dentro, tá no fundo isso eu sei
Tá na alma, onde os olhos não vêem

O verdadeiro valor tá na essência
Não, não se deixe levar pelas aparências


- Vibrações Rasta -